18 de mar de 2010

Horizonte

Há palavras que não compreendemos totalmente o sentido. O horizonte é uma dessas palavras. A definimos como algo distante, longínquo, inatingível, utópico, algo que nunca alcançaremos. Nossa corrida para chegarmos lá é eterna.
Mas, para mim, correr atrás do horizonte tem suas vantagens. Na vida, sempre escolhemos um caminho: não o do bem e do mal, mas o do que fazer e do que não fazer. As decisões que tomamos nos afetam em todos os momentos. Para chegarmos perto do horizonte, é preciso sermos fortes para abandonarmos várias coisas.
Sempre que damos um passo à frente, deixamos algo para trás: decepções, alegrias, desejos, sonhos, amizades, amores... e ás vezes é muito difícil deixar esses fatos no passado e seguir em frente. A grande maioria das pessoas fica parada, estacada.
Agir com sabedoria é saber a hora de seguir em frente e deixar tudo que prende para trás. O horizonte é inalcançável, mas só nos aproximamos dele se seguirmos em frente.
Qualquer um pode titubear e duvidar da existência desse caminho. Muitos desejam voltar... e isso significa uma parada perpétua.
Ir em direção ao horizonte é continuar de onde paramos. Olhar para o passado como algo que não volta mais, e vivermos intensamente cada momento, pois nossos passos são cada vez mais longos.
Expectativas, desejos, sonhos... tudo isso é motivador para irmos de encontro com o futuro.
Não há quem nunca olhe para o passado. O que fizemos antes fica marcado, mas a cada passo que damos à frente, mais longe ficam essas marcas.
Olhar para trás e lembrar que tudo valeu a pena. Seguir em frente, atrás de seus sonhos, de seus amores, do horizonte. A cada passo, maior é a certeza de que algo bom virá.

Alberto.