30 de mar de 2011

Dualismo

EU - A mente pesa o travesseiro já liquefeito. Como conseguir adormecer e entrar no mundo surreal?
MEU EU - O surreal é toda a brutalidade humana representada numa dimensão paralela. Tens certeza da tua vontade?
EU - Sim, eu tenho certeza desse meu último refúgio. A realidade radical me aflige.
MEU EU - E o que esperas da ilusão, minha cara?
EU - Espero degustar o mais doce estado de afeição viva. O meu rebanho de pensamentos não subsiste mais nos montes belos, não se renova mais nas águas cristalinas e muito menos aspira o desejado ar puro.
MEU EU - Toda vida tem suas belezas. O sorriso derruba a espada. Até que ponto o surreal é um refúgio?
EU - Até o ponto que cada lágrima derramada nesse mundo de vaidade brotar do chão um lindo ramo de rosa vermelha, desenterrando o amor para a vida.
MEU EU - É um belo pensamento, mas... o que diz-te que tal pensamento não pode ocorrer no mundo real? Todos temos um paraíso florescido em nossas mentes, pronto para desabrochar e se exibir, lindo e virtuoso, colorindo o universo.
EU - Quanto mais a Terra gira, mais egoísta e impetuoso o ser humano fica, e o paraíso florido em sua mente morre antes de desabrochar.
MEU EU - Então não há mais esperança? Nem mesmo através do amor?
EU - A ambição circula mais forte que o amor dentro dos seus corpos desventurados, e a esperança jamais se extinguirá, pois ainda há muito para os homens cobiçarem.
MEU EU - E toda essa cobiça não seria também em busca do amor? A ambição, muitas vezes, é a chave para a evolução.
EU - Quem está em busca do amor não o cobiça, apenas o quer deslumbrar e sentir. A chave para a evolução é a paz, a serenidade e a honestidade, e não a ambição, palavra negativa.
MEU EU - O mundo é o equilíbrio entre o positivo e o negativo.
EU - Talvez esse seria o mundo ideal para a sociedade desequilibrada.
MEU EU - A sociedade é imperfeita, desigual e injusta. É isso que o ser humano criou, e é assim que o fim dos tempos chegará até nós. Mas digo a sociedade. O mundo é paradoxal: frio e belo, escuro e iluminado, abatido e amável, livre para todos os sentimentos se aflorarem. É um equilíbrio pleno.
EU - Então o equilíbrio é parte do mundo perfeito, igual e justo. Logo, vivemos em um mundo desequilibrado, no qual uma minoria exerce poder sobre uma maioria. A desigualdade vive intensamente estampada na opressão.
MEU EU - Mas... se as pessoas não são iguais, como viveremos numa sociedade igual para todos?
EU - As pessoas habitam o mesmo e único planeta, superlotado de hipocrisia na atmosfera, de humanos completamente desumanos.
MEU EU - Se queres sonhar, abandonará a realidade sem ao menos dar valor à sua luta.
EU - Vou procurar respostas nos sonhos plenos.
MEU EU - As respostas estão aqui.
EU - ...
















Alberto e Laura