26 de jun de 2011

Não falo de vícios, pois eles me desorientam.
Não falo de amor, pois há muito ele me deixou.
Acho que eu não falo de nada.

Alberto.

14 de jun de 2011

O homem vai. A história fica.

   Onde o terror negro assombrava, nascia um menino. Destinado ou não, aquele garoto faria algo admirável, bem distante dali.
   Já nascido com uma marca, da qual nunca quisera se livrar, foi trazido para essas terras, a fim de construir um novo futuro, distante daquele que assolara seu antigo lar. Não imaginava que, longe de casa, firmaria combate contra outro inimigo, se não mais feroz, mais audaz.
   Amou seu novo país, seu novo povo, e tornou-se parte dele. Estudou, aprendeu, mudou de nome. Começou a construir seu legado.
   Casou-se. Efetivamente, fixara suas raízes. Tornou-se um influente intelectual, com ideias inovadoras e relatos decisivos dos acontecimentos.
   Porém, um novo medo chegou à sua nova nação. Lembrou-se da sombra que o havia feito fugir no passado, e o fez novamente. Entretanto, dessa vez, foi restabelecer suas forças e repudiar seu temor.  Estava disposto a transformar suas já podres raízes em asas, para poder voar e voltar. Agora, aquele menino que fugira duas vezes voltou ao seu país de coração. Educou os filhos para sempre manterem a coragem como lema.
   Contudo, a cultura, que tanto o apaixonou durante a vida, era mortificada pelo novo medo. Ele quis libertá-la. Conheceu outras pessoas corajosas, que também não temiam, e foi um líder entre elas.
   O medo também tem medo. Foi chocado para abdicar de seus ideais. Sem esclarecimentos. Sem êxito. O medo teve medo novamente. Assim, o homem foi calado.
   Disseram que havia tirado a própria vida. Mentira. Fora sufocado por mãos temerosas.
   O medo errou. Iria sentir a fúria de um legado já propagado. Eram 8 mil pessoas por trás de madeira e mármore, prontos para uma nova e mais conflitante armada.
   O medo errou. O medo perdeu.
   Essa é uma história real, de quem nunca desistiu de um sonho. O homem vai, a história fica.
 
Alberto.
















Memorial da Resistência - DEOPS-SP              Foto: Eduardo Marella