25 de dez de 2014

ORDEM DO TEMPO

ORDEM DO TEMPO

(para um poeta alemão, que diz que é preciso dar tempo à verdade; para um bom amigo, que diz que as lágrimas do filósofo demoram a cair)

O tempo do poeta é diverso
do tempo dos comuns.
São instantes de afeição,
febre, glória, dor e
absoluto.
Porém,
na maior parte o tempo
é enfadonho e impotente.
Pergunte ao poeta
se seus instantes
valem a pena.
Pior aos comuns,
que não têm instantes.

- Sartorelli